Republicanos

Monday, December 11, 2006

A nova moeda

O símbolo do escudo português é o cifrão ($) foi essa a ultima moeda antes do actual euro (€). O escudo era de ouro baixo 18 quilates e valiam 50 marcos. Um euro valia 200,482 escudos.

No tempo de D. Duarte, apareceu o meio-escudo, do qual actualmente não se conhece o desenho. Nos reinados de D. José I, D. Maria I e D. João VI, é que se cunhou o escudo. Criaram-se também moedas de 2, 5 e 10 escudos. Antes do escudo, existia o real, e depois do escudo, o euro.

A BANDEIRA


A 19 de Junho de 1911, depois de se implantar a República, a Bandeira Nacional substituiu a Bandeira da Monarquia Constitucional.




A Bandeira portuguesa ficou com o lado esquerdo verde-escuro e o direito vermelho.
Os significados são:

O vermelho significa coragem, alegria.
O verde significa esperança e em homenagem á batalha ganha devido á cor.

No centro o brasão de Portugal e a esfera armilar Manuelina.



O resto das cores:

O branco representa a paz.
As quinas, a azul representa a batalha ganha aos Mouros. Cada quina tem 5 Pontos que significam as 5 chagas de Cristo que ajudaram a vencer os Mouros
O escudo a defesa do reino.
Os 7 castelos significam os Castelos tomados por D. Afonso Henriques aos Mouros.
A esfera armilar significa os descobrimentos Marítimos.

O hino nacional




O hino nacional é um símbolo de cada país. Antes deste hino já existiram outros como por exemplo: O “Hino da Carta”, que era o hino da Carta Constitucional e também existiu o "Hino Patriótico". Só no séc. XIX é que nasceu a “moda” de ter uma música a representar o país. Só em 1911, depois da implantação da república, em 1910 é que o hino “A Portuguesa”, que foi escrita por Alfredo Keil e a letra de Henrique Lopes de Mendonça, foi oficializado.

A REPÚBLICA


As vantagens de ter um governo- república eram bem vistas.
O governo funcionava assim:

· O presidente reinava por menos tempo e as suas decisões eram controladas pelo governo.

Entretanto:

· Quando receberam as notícias, por telégrafo, as cidades de Portugal aderiam à República.

A revolução do 5 de outubro

No dia 2 de Outubro, Cândido dos Reis realizou uma reunião com os revolucionários. Planearam que a tentativa de revolução ficaria para a noite seguinte. Logo a seguir outra reunião (sem o directório) preocupava – se com o falecimento de Miguel bombardos, que possuía informações prodigiosas. Durante a Madrugada os soldados foram avisados que algo podia acontecer. Ficaram atentos e á uma da manhã os revolucionários atacaram, não correu com planeado. Mas ao ver a porta principal sem guardas, Sá Cardoso arrombou a porta e assumiu o comando. Dividiu o exército em duas filas. Uma encontrou – se com os guardas e ao retirar-se com Afonso pala e o seu exercito que teve que retirar – se e fazer resistência na Rotunda. Não se deram por vencidos e depois de muita luta venceram os revolucionários que depois fugiram no “ Adamastor” e no “ S. Rafael “
De manhã as forças monárquicas atacaram a rotunda mas, sem sucesso pois Sá Cardoso conseguiu retirar as tropas. Soubesse que Houve suicídio de Cândido dos reis.
Entretanto os navios "Adamastor" e "S. Rafael" bombardeiam as Necessidades, chegando a destruir com um tiro o Pavilhão Real. Assustada a Família Real foge para Mafra. Os mesmos barcos vão encurralar as forças leais no Rossio.
As tropas reuniram-se no jardim de Torel de onde podiam atacar a Rotunda. Contudo as tropas do rei tinham poucas munições e soldados. Tiveram que se render pois não aguentavam muito mais.


A república foi proclamada na câmara municipal de Lisboa. O dia foi tão comemorado que foi declarado feriado.
O último Rei foi Manuel II que fugiu para Inglaterra e lá viveu escondido com a sua família.
O primeiro presidente foi Teófilo Braga mas só provisoriamente pois houve eleições e o presidente foi declarado Manuel de Arriaga.

O regicídio


No dia 28 de Janeiro o príncipe D. Manuel regressou a Lisboa depois de estar dois dia em vila Viçosa. Teve de ir por causa da escola naval. Na noite de 31 de Janeiro. Já estavam presas diferentes pessoas politicas importantes. António José d'Almeida, republicano e antigo deputado, João Chagas, republicano, João Pinto dos Santos, dissidente e antigo deputado. Aí deu-se a primeira tentativa de homicídio, a qual não resultou. El Rei D Carlos e seu filho Príncipe Real de Vila Viçosa regressavam no dia1 de Fevereiro. Nesse dia houve um descarrilamento na Casa-Branca o que originou um atraso de três quartos de hora. Nesse mesmo dia, El Rei D. Carlos e seu filho, herdeiro do trono foram barbaramente assinados em pleno terreiro do Paço. Assim D. Manuel ficou a reinar com dezoito anos.

O Ultimato

Entretanto África vai atrair as atenções dos países mais industrializados e as zonas onde havia matérias-primas como o café, o ouro, os diamantes e o algodão ficaram ocupadas.
Portugal não concordou com a partilha de Africa. Arranjou um mapa cor-de-rosa que exigia que os territórios entre Angola e Moçambique pertencessem a Portugal. O rei de Inglaterra declarou que ou Portugal saia desses territórios ou era declarada guerra. Isto originou grandes boicotes aos produtos Ingleses, manifestações.

Crise da monarquia



No final do séc. XIX sentia – se por todo o País o descontentamento da População.
Os operários, agricultores, burgueses e outros trabalhadores viviam cada vez com um salário pior e a possibilidade de serem despedidos a aumentar.
Os vendedores aumentavam o preço a tudo para poderem comer mas, não havia dinheiro.
O Rei e a família real pediam empréstimos ao estrangeiro para realizar grandes obras no reino. Para pagar viam – se obrigados a aumentar os impostos os preço dos produtos e diminuir o ordenado dos trabalhadores.
O governo e o rei não conseguiam manter a vida do povo com melhores condições.